O engraçado do "Tapete Vermelho"


O diretor Luiz Alberto Pereira agiu correto quando resolveu esperar nove meses por Matheus Nachtergaele (o Quinzinho, no filme) para então iniciar as filmagens. O fato é que por todo este tempo o ator esteve ocupado em outras filmagens. Mas, valeu a pena visto que o ator interpretou bem a figura de jeca, como propõe a história do filme.
Print filme.
Assim, Tapete Vermelho, filme brasileiro, propõe uma história diferente daquela que mais conhecemos quando o assunto é a retirada de agricultores do interior para a cidade grande. Neste filme, a ida à cidade é passageira e visa somente encontrar um cinema onde se possa assistir ao filme do Mazzaropi.
Mas, unir cinema a Mazzaropi parece não ser tarefa das mais fáceis à época, uma vez que filmes do Mazzaropi não estão mais em alta e, os cinemas, por não render como antes, em fala de um dos personagens, estão falindo.
Não é difícil compreender que a obra é uma homenagem a Amácio Mazzaropi.
Em toda a trama iremos encontrar uma boa comédia com gestos, falas e ideias de Quinzinho. E se não bastasse as caçoagens dos cidadinos frente ao status de jeca que carrega Quinzinho, o próprio caçoa com um vendedor e um imigrante que faz trocadilhos no emprego dos pronomes definidos e indefinidos.

Direção: Luiz Alberto Pereira
Elenco: Matheus Nachtergaele, Gorete Milagres, Vinícius Miranda
Lançamento: 2006
Origem: Brasil
Para interpretar:
Caçoar= brincar, mangar, tirar sarro
Cidadinos= aquele que reside na cidade
Partilhar no Google Plus

Sobre Ciência de Arte

Se você procura arte, ciência, música, humor, dicas, economia, finanças e muito mais, você está no lugar certo! Divirta-se e atualize-se com Ciência de Arte.